» Mindfulness
Mindfulness

Como manter o foco em uma atividade por vez

27/06/2017

Uma pergunta a você: quantas janelas estão abertas agora, no seu computador? Se você está lendo isso no celular, com o que meu texto está dividindo a atenção na sua mente? Se você está com atenção total no que está lendo neste momento, parabéns, você faz parte de uma minoria.

Estamos na era da informação, e isso significa que dados chegam até a nós compulsivamente, nos fazendo muitas vezes sentir a necessidade de abraçar o mundo para não perdermos nada. No entanto, se entrarmos nessa correnteza de informações, dificilmente conseguiremos pescar o que realmente é necessário. Então nos tornamos sobrecarregados, ansiosos e dificilmente conseguimos manter o foco no momento presente, na atividade que estamos realizando.

Estímulos chegam até a nós o tempo todo, isso não vai mudar. Mas com algumas dicas e técnicas, podemos controlar a forma como lidamos com essas informações, manter o foco e sermos mais seletivos, afinal, não dá pra guardar tudo.

1. Respire

Pode parecer bobeira, mas quando levamos a atenção à nossa respiração, percebemos – na maioria das vezes – o quão superficial ela está. Aproveite, inspire profundamente e solte o ar devagar. Isso ajuda a trazer a mente pro agora e é uma ótima ferramenta pra conseguir focar nas tarefas que você está realizando. Experimente.

2. Olhe ao seu redor

Levante a cabeça, desvie o olhar da tela do seu computador ou smartphone e olhe o que te cerca. Quando estamos em um ambiente comum, como nosso quarto ou escritório, perdemos a sensibilidade de admirar o que está à nossa volta. Porém, isso pode acontecer também quando estamos em qualquer ambiente novo, como uma rua diferente, parque ou café. Olhe ao seu redor. Que sons você escuta? Que cheiro está no ar? Quais cores você observa? Admire a beleza das pequenas coisas que te cercam. Conecte-se com o presente pelo menos por 1 minuto.

3. Remova todas as distrações da mesa

Se você vai começar a trabalhar ou estudar agora, aproveite pra remover tudo que está na superfície da sua mesa e deixe apenas o que não pode ser tirado e o que você vai usar. Mantenha a mesa clean, minimalista, pegue um copo de água e certifique-se de que tudo que você precisará está ao seu alcance. Quando acumulamos tralha na nossa mesa nos distraímos com mais facilidade, assim como quando levantamos toda hora pra pegar algo que esquecemos. Mantenha tudo limpo e organizado!

4. Feche as janelas do computador

Se você está escrevendo um texto (como eu estou agora), experimente fechar todas as outras janelas do computador e use a tela cheia para evitar distrações. Pra quem escreve, experimente usar editores de texto mais simples pra escrita fluir com mais facilidade. Eu costumo alternar entre FocusWriter e OmmWriter, dois programas excelentes que trabalham apenas com o texto, sem formatação, sem distrações. Se você não tem um editor clean, use o bloco de notas, o Evernote ou algum outro editor. Evite aqueles poluídos cheios de ícones, isso só distrai e tira o foco do que realmente é importante.

5. Deixe seu smartphone longe

Se você não costuma usar celular o tempo todo, essa dica não vai ser muito útil, mas se você não larga o smartphone pra nada, experimente deixá-lo em outro lugar que não seja à sua vista. Não se preocupe com mensagens ou ligações urgentes, deixe o toque ativo e desabilite todas as outras notificações (whatsapp, email, sms…). Se alguém quiser realmente falar com você, vai telefonar e você poderá ouvir. Apenas tire a tela de seu campo de visão pra que não desperte a curiosidade de olhar o tempo todo. Estamos muito ansiosos achando que se não checarmos o email ou facebook toda hora estaremos perdendo algo. Acredite, não estamos.

Estas são algumas dicas que uso no meu dia-a-dia pra manter o foco no que estou fazendo no momento. Além de praticar meditação – o que ajuda demais no controle da ansiedade e da respiração – também costumo deixar o smartphone sem notificações e longe de mim. Escrevendo, deixo apenas a janela na qual estou trabalhando. Ao terminar, trago novamente a atenção à minha respiração, olho ao redor, admiro os pequenos detalhes que me cercam.

Mantenho também um caderninho de anotações e uma caneta sempre ao meu alcance. Sei que estamos em uma era muito digital, mas às vezes abrir o ícone de um aplicativo pra escrever uma nota pode significar uma checada de leve no facebook ou twitter só pra ver o que anda rolando – o que pode comer minutos da atenção.

Se você tem alguma dica de produtividade pra manter o foco na tarefa que está fazendo agora, compartilhe aqui nos comentários do blog. Vamos trocar ideias e inspirações?

Compartilhe...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter
Mindfulness

O prazer da leitura

28/05/2014

Livros são como portais mágicos: nos transportam a um novo universo, a novas interpretações da vida e nos colocam frente à frente com diferentes arquétipos com os quais nos identificamos. Ler várias obras de diferentes autores e gêneros literários é muito importante pra obtermos conhecimentos amplos sobre outras culturas, pensamentos e sobre nós mesmos. Mas será que conseguimos extrair de um livro tudo aquilo que ele nos quer passar? Será que lemos com a devida atenção que uma obra clássica, por exemplo, merece?

Certa vez perguntei ao meu professor de Teoria da Literatura II sobre a releitura: afinal, o que é mais importante para um estudante que gosta de ler, mas não tem um conhecimento muito aprofundado na literatura, ler diferentes obras ou dedicar-se à releitura mais minuciosa? Achei interessante a resposta, de que um leitor, no início de uma graduação de Letras, por exemplo (nosso caso na época), que não teve uma base literária muito aprofundada no Ensino Médio (falha grave, Brasil), deveria se dedicar à leitura de diversas obras, claro, tentando absorver o melhor de cada livro. Só futuramente, depois de um conhecimento amplo sobre a Literatura, é que podemos nos dedicar com mais afinco à releitura. Mas, como fazer uma leitura mais profunda?

O ideal, antes de lermos qualquer romance, conto ou peça, é procurarmos informações sobre o autor. Uma rápida pesquisa pela internet nos trará dados básicos como em que período viveu, quais suas influências literárias (ou políticas), quantas obras publicou em vida entre outros detalhes. Situar o livro em um período histórico/literário também é desejável, pois nenhum discurso é isento de opinião, isso significa que um escritor sempre transmitirá, em suas palavras, sua posição sobre o mundo que o cerca, seja através de críticas diretas como também através do silêncio.

Após conhecer um pouquinho sobre o autor, o contexto histórico e a fase literária na qual foi publicada, é hora de iniciar a leitura. Antes de querer fazer uma leitura em forma de competição, o melhor é ler com calma anotando passagens interessantes (muitos mantêm um caderninho literário), sem pressa de acabar. Tente lembrar do contexto pesquisado anteriormente, faça ligações com a realidade, pois assim a leitura será muito mais prazerosa e sem dúvidas, mais útil, afinal, é muito melhor lermos com qualidade do que exibirmos centenas de livros mal-lidos em uma prateleira.

Compartilhe...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter