Meditação

Meditação: dicas para viver no momento presente

21/06/2017

Meditação é mais simples do que parece | Como meditar | Jornada Zen #jornadazen

Sempre gostei de meditação, mas tinha dificuldade para meditar. Achava lindo sentar em lótus, fazer uma postura com a coluna alinhada e fechar os olhos, mas no fundo, achava que aquilo não era pra mim. Ariana que sou, com a mente agitada, meus pensamentos vagavam por um limbo que sabe-se lá onde estavam. Definitivamente, meditar não era pra mim.

Assim como eu pensava, muitos podem ter a ideia de que a meditação combina com ambientes monásticos, pessoas austeras e muita seriedade. Mas eu vou contar uma verdade a vocês: a meditação, quando passa a fazer parte da sua rotina, se torna divertida, um lugar de paz para o qual queremos voltar sempre.

Não vou dizer que é fácil, que não sentimos câimbra nas pernas, que tem dias que queremos apenas nos levantar e fazer as tarefas do dia. Mas também não é verdade que meditar é pra quem já é zen, tranquilo. Assim como pessoas praticam musculação para fortalecer a musculatura aos poucos, a meditação também deve ser uma prática diária para que possa tornar-se uma rotina. Após um bom tempo praticando a meditação, hoje venho trazer alguns tópicos para esclarecer algumas dúvidas comuns sobre meditar.

Principais dúvidas sobre a meditação:

1. Meditação não é religião. Embora associado ao budismo e hinduísmo, quando você interioriza seus pensamentos, volta para si e traz sua mente para o momento presente, você está meditando. Porém, se você é religioso e reserva um momento para fazer suas orações, também é uma forma de meditação. A meditação faz parte de algumas religiões mas é uma ferramenta, uma técnica que pode ser feita independentemente de crenças.

2. Não precisa de muitos preparos. Esqueça aplicativos, meditações guiadas, CDs, músicas para meditação, almofadas especiais ou roupas próprias. Meditação é simples, basta sentar-se confortavelmente, alinhar sua coluna, fechar os olhos e trazer a atenção para a sua respiração. Pronto, o primeiro passo já foi dado.

3. Não encare como um desafio. Se você já senta-se pensando que vai ser um tormento ficar os próximos 5 minutos sem fazer nada, você vai passar 5 minutos agoniado para acabar logo. Vá sem expectativas, apenas sente-se e tranquilize sua mente. Se quiser, coloque um alarme ou contador com o tempo que achar necessário, mas não se prenda a isso. Deixe o tempo fluir.

4. Existem diferentes técnicas de meditação (com mantras, cantando, ouvindo sons etc.) mas no começo, tente apenas reservar diariamente um momento só seu, em silêncio. Caso fique muito difícil concentrar-se com os olhos fechados, experimente acender uma vela à sua frente e observar o movimento da chama.

5. Comece devagar. Você não precisa começar com o tradicional Zazen por 30 ou 45 minutos. Experimente 5 minutos no começo. Vai ser difícil, sim, eu sei. Porém, com o tempo, você perceberá que 5 minutos passam voando, e quando se der conta, 10 minutos já terão passado. Não se cobre, não tenha pressa, aumente seu tempo de meditação de acordo com seu progresso, com sua disponibilidade. É melhor meditar todos os dias 5 minutinhos do que se comprometer a fazer uma longa meditação diária e parar no segundo dia.

Meditar ajuda a trazermos a mente para o agora

Quando vivemos no passado, a tendência é que nos tornemos pessoas angustiadas, deprimidas, pensando no que poderia ter feito e não fizemos. Pensando nas pessoas que nos magoaram, e então carregamos em nossa mochila da vida um grande peso o qual não precisamos carregar. Quando vivemos no futuro, nos tornamos ansiosos, tentando antecipar os fatos que ainda não aconteceram.

Nestas duas situações, nos desconectamos do momento presente, do aqui e agora, o único momento em que nossas vidas de fato acontecem. Não é errado, no entanto, recordar do passado nem planejar o futuro. A questão é que quando nos desconectamos da nossa vida no agora, saímos do estado de atenção plena e a vida passa por nós de forma automática.

Experimente hoje, agora, apenas fechar os olhos e prestar atenção no ar que entra e sai pelas narinas. Alinhe sua coluna, relaxe suas mãos sobre suas pernas e apenas respire. A meditação é uma ferramenta muito poderosa que nos traz de volta ao estado Mindfulness, ou atenção plena. Toda vez que se sentir desconectado de sua realidade, traga sua mente para o agora. Não deixe sua vida passar diante seus olhos, perceba os detalhes, os pequenos momentos. Valorize o seu momento, pois a única coisa que temos é o agora.

E você, pratica meditação? Já experimentou? Quais suas dificuldades? Compartilhe aqui conosco nos comentários!

imagem: Pixabay

Compartilhe...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter
Minimalismo

Faxina no instagram – aplicando o princípio da verdade

15/05/2017

Um dos princípios do yoga (chamamos de yamas e niyamas os “10 mandamentos” de um iogue) é Satya. Essa palavra, em sânscrito, significa verdade. Mas o que Satya tem a ver com um post sobre Instagram?

Não, eu não vim conversar com vocês sobre como não transmitimos 100% de verdade em nossas redes sociais. Todos estão cansados de saber – e ler por aí – que o que mostramos nas redes representa apenas uma parcela da nossa vida “aqui fora”. Que o que postamos nem sempre está alinhado ao que estamos passando pelo momento, mas que muitos preferem demonstrar coisas boas que despejar as angústias e tristezas aos seguidores – isso porque não citei as falsidades no sentido fingir ter uma vida feliz e perfeita retocada em um editor.

O que vim falar hoje é sobre a verdade em relação ao que realmente somos. E a verdade é que o número “mais de 4 mil seguidores” do meu instagram não é lá muito fidedigno. Tenho (ou tinha) mais de 4 mil seguidores que acompanham diariamente minhas postagens. Não tenho muitos likes nas minhas fotos, se formos analisar a quantidade de pessoas que me acompanham. Tirando o fato de que nem todos visualizam as fotos, ou por que não têm tempo, ou por que simplesmente não as recebem no feed, as médias das curtidas que recebo por foto não é lá muito alta.

Mas calma, números? likes? aqui, neste blog com alma minimalista?

Sim, números, seguidores, likes e redes sociais. 🙂 De certa forma, minha presença nas redes sociais está muito relacionada ao meu trabalho, sendo que consigo facilmente identificar meus “seguidores” nesses grupos:

  1. público que se identifica com yoga e poderá se tornar um aluno algum dia, talvez
  2. público que pratica em outros lugares e se inspiram com minhas postagens sobre yoga
  3. público que acompanha meu blog e se inspira com meu estilo de vida e dicas que publico
  4. amigos que me seguem por serem amigos pessoais
  5. pessoas que não conheço, sem foto no perfil ou com foto pornográfica, geralmente russos ou árabes ou com nome de usuário tão estranho que nem o Fantástico consegue identificar quem são, de onde vieram e do que se alimentam.

E é sobre este último perfil que quero refletir.

Caminhando contra a correnteza do “quero mais seguidores” e dos influenciadores digitais, resolvi fazer uma limpeza mais profunda na minha conta do Instagram. Pois, de nada adianta empinar o nariz com orgulho dos meus 4 mil seguidores, se uma parcela deles não são reais. Muitos blogueiros e influenciadores digitais apelam para a compra de seguidores para terem mais visibilidade e credibilidade no meio comercial, já que marcas enviam produtos e fecham parcerias com pessoas com muitos seguidores, mas será que isso dá um resultado real?

Eu poderia manter meu número alto de seguidores (pra mim é alto, desculpem influenciadores com 1 milhão!) mas o que isso realmente significa? Que verdade estou passando ao meu público? Sim, eu fico feliz quando ganho um novo seguidor, mas fico realmente feliz quando entro no perfil da pessoa e vejo que é alguém de verdade, não uma conta a mais para fazer volume e nem um perfil de alguma marca que só quer o “segue de volta”. Quem já passou pela experiência de ganhar um novo seguidor e, minutos depois receber unfollow por não tê-lo seguido de volta?

Sei que muitos de vocês sequer têm redes sociais e tudo bem. Tudo bem também TER conta nas redes sociais, já que cada um é cada um, com suas necessidades, vontades e liberdade. A questão é que resolvi limpar, excluir, bloquear, fazer uma faxina geral no meu instagram removendo todos os seguidores que se encaixam no tópico 5. Quero mais gente como a gente, pessoas que estão ali pra trocar ideias, pessoas com quem eu possa responder uma mensagem privada. Quero gente de verdade, não números. Quero sentir a energia de que cada interação é sincera.

Neste exato momento estou com meu celular ao meu lado, com o App Insta Cleaner (não é propaganda, eu paguei $1,99 por ele no App Store) fazendo uma faxina geral. Alguns podem se perguntar se vale à pena, mas pra mim está valendo. Estou me cansando de números das redes sociais. Cansando dos excessos, das muitas informações. Estou me cansando também de olhar perfis de pessoas totalmente artificiais, que de nada me acrescentam – e que sim, às vezes me fazem sentir que ou minha vida não tá tão legal ou que até que seria interessante se eu comprasse aquele produtinho…

Sinto que estou me renovando, me transformando, e que mais uma vez não sei onde vou chegar, mas tenho uma certeza: quero tudo mais simples. Quero estar leve. E se o preço a pagar por essa leveza, pelo Satya, pela busca por uma presença mais verdadeira e próxima no mundo virtual-real for perder números com os quais não tenho identificação, está tudo bem. Aliás, está ótimo!

Um dia, num passado não muito distante, cheguei a pensar que seria legal ser uma influenciadora digital. Mas esse pensamento deu lugar a outro. Talvez seja mais legal estarmos presente, darmos atenção, interagirmos de igual pra igual, sem influenciar, sem fazer o outro nos seguir, mas sim inspirar para que aquela pessoa, do outro lado da telinha, olhe pra si e descubra que existe um universo de possibilidades dentro dele e que ele não precisa ser influenciado por ninguém para ser feliz.

Antes que me perguntem…

  • Não, não estou removendo nenhum amigo, nem bloqueando ninguém nem deixando de seguir pessoas que estão sempre presente, apenas os fakes/pornográficos
  • Não, nunca comprei seguidores. Uma hora/aula de yoga é muito trabalho pra gastar com números em redes sociais 😛
  • Uma teoria que tenho é que talvez esses seguidores fakes venham através das hashtags que usamos nas fotos. No estilo “segue de volta?”

Enquanto isso, vejo meu Instagram com o número de seguidores em contagem regressiva…

Compartilhe...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter
Bem-Estar

Como preparar máscara de argila com óleos essenciais

31/10/2016

Como preparar máscara de argila com óleos essenciais | Jornada Zen, por Camile Carvalho // jornadazen.com

A máscara de argila é excelente para o cuidado com a pele. De origem mineral, é composta de sílica, alumínio e água. Existem várias formas de se usar a argila no tratamento estético e uma delas é através da aplicação em pasta no rosto.

Hoje vou mostrar a vocês como associo a máscara de argila com a aromaterapia usando óleos essenciais para aumentar seus benefícios. A argila tem vários benefícios, como a renovação celular, eliminação de toxinas (ela absorve as impurezas), eliminação de bactérias e oleosidade, além de acalmar a pele deixando-a mais macia.

Como preparar máscara de argila com óleos essenciais | Jornada Zen, por Camile Carvalho // jornadazen.com

Ao associar com o óleo essencial (atenção, não é essência!), podemos combinar os benefícios de acordo com o que desejamos. Eu gosto de usar, na minha máscara, óleo de lavanda, de melaleuca (Tea Tree) ou de tangerina. Claro que existem dezenas de óleos essenciais que podem ser usados na mistura, mas eu costumo usar esses três de acordo com suas propriedades:

> Lavanda: Acalma a pele e promove o aceleramento da renovação celular colaborando para uma pele nova e saudável. Também muito usado em caso de acnes e infecções, pois possui propriedades reconfortantes e anti-inflamatórias.

> Tangerina: Serve para todos os tipos de pele, inclusive em casos de estrias e cicatrizes. De ação regenerativa e tonificante, é ótimo para melhorar a elasticidade e firmeza da pele, além de atuar também como desintoxicante.

> Melaleuca (Tea Tree): Com ação no sistema imunológico, a melaleuca também é um ótimo antisséptico, fungicida e bactericida. Indicado para casos de acnes e outras infecções de pele, pode ser combinado com a lavanda (1 gota de cada).

Como preparar:

Máscara de argila Força da Terra | Jornada Zen, por Camile Carvalho // jornadazen.com

Num potinho, uso a medida de uma colher (uso sempre plástico para não reagir com metais) e adiciono água morna bem aos poucos até ficar na consistência de uma pasta. Não deixe ficar muito aguado, pois ficará difícil pra aplicar na pele. Após fazer uma “papinha”, adicione 2 gotas do óleo essencial de sua preferência. Caso use a combinação de dois óleos, use uma gota de cada. Não precisa colocar mais que duas gotas de óleo essencial, pois ele já é muito concentrado (principalmente o de tangerina).

Passe na pele evitando a região dos olhos e boca e aguarde uns 15 minutos até que a máscara seque por completo.

Como preparar máscara de argila com óleos essenciais | Jornada Zen, por Camile Carvalho | www.jornadazen.com

Dica:

Sempre que remover a máscara, a pele vai ficar um pouco mais sensível. Logo, evite exposição direta ao sol. Recomendo que use algum hidratante com filtro solar ou óleo de semente de uva para acalmar a pele e manter a elasticidade.

E você, usa também máscara de argila? Se tiver alguma dúvida de como usá-la, deixe aqui nos comentários!

Compartilhe...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter
Páginas1234567